ERP para marketplace

ERP PARA MARKETPLACE

Entenda como um sistema de gestão pode te ajudar a gerenciar melhor seu negócio dentro do marketplace

 

O marketplace é um dos canais de venda mais acessíveis atualmente. Com custos menores do que montar o próprio e-commerce, esse canal vem conquistando, principalmente, pessoas interessadas em abrirem seus próprios negócios, mas que não possuem capital para investir em toda a estrutura inicial que exige uma loja física ou um e-commerce.

No entanto, para conseguir gerenciar da melhor forma os processos de venda o lojista pode adotar um sistema de gestão para melhorar a experiência de vender dentro de um marketplace.

Pensando nisso, trataremos neste artigo sobre a gestão do ERP no Marketplace e, como esse tipo de estratégia gera negócios mais escaláveis e competitivos propiciando alcance de resultados tão ou mais satisfatórios que modelos de venda como: Loja Física e e-Commerce.

 

Marketplace

O marketplace é um shopping online, ou seja, um ambiente que reúne diversos lojistas (sellers) para vender mercadorias dos mais variados tipos. Essas vendas podem ser totalmente gerenciadas por uma equipe interna do próprio marketplace, ou não, a saber:

O marketplace pode ser de dois tipos:

Geradores de tráfego: esse tipo de marketplace tem como objetivo gerar tráfego (leads), ou seja, identificar intenções de pedidos para o site do seller através da divulgação do seu catálogo de produtos. Trata-se de um modelo no qual as responsabilidades pela maioria dos processos permanecem sobre o seller e não com a gerencia do marketplace.

Para facilitar o entendimento, provavelmente você já ouviu falar de sites comparadores, certo? Eles são ótimos exemplos de marketplaces geradores de trêfegos, ainda podemos citar alguns sites que se encaixam nessa categoria, como por exemplo: Buscapé, Zoom, Baixou, entre outros. Esse tipo de marketplace tem um botão no site que direciona diretamente para a loja, ou seja, o consumidor não fecha a venda por meio dele.

Geradores de pedidos: marketplaces desse tipo possuem mais responsabilidade sobre os processos de vendas, uma vez que são responsáveis pelo pedido de venda, processamento do pagamento, pela analise antifraude e liberação das informações para que o lojista possa fazer o picking e o packing das mercadorias. Neste modelo o marketplace fica com uma porcentagem das vendas.

Como exemplos para esse tipo de marketplace podemos citar sites como: Extra, Submarino, Magazine Luiza, Americanas, Saraiva, entre outros. Alguns marketplaces nessa categoria também anunciam seus produtos nos sites geradores de tráfego.

A vantagem desse tipo de marketplace é a aplicação mais eficientes de recursos como: geração de anúncios online, taxas cobradas, analises antifraudes, site, plataforma, intermediadores de pagamentos, entre outros recursos que são melhores distribuídos e gerenciados pelo marketplace.

 

Taxa de comissão

A comissão é uma taxa cobrada dos vendedores pelos marketplaces, esse valor cobrado é sobre o volume de vendas e pode variar de acordo com o perfil do produto ou do serviço oferecido pelo vendedor e disponibilizado pelo marketplace. A taxa de comissão não é a mesma cobrada em todos os marketplaces, ela pode variar de acordo com as diferentes gerencias.

 

ERP

O ERP (Enterprise Resource Planning) ou sistema integrado de gestão é um software que otimiza a gestão das empresas por meio de automatização de processos manuais e integração de atividades de vendas, financeiro, fiscal, estoque, logística, compras, controle de produção, etc.

Existe no mercado, pelo menos, 7 tipos de ERP: legado, engessado, para pequenas empresas, gratuito, backoffice, verticalizado para o varejo físico e Omnichannel. Para conhecer mais sobre cada um deles, indico o e-book: Como Contratar o sistema ERP ideal para o seu negócio.

 

Mas você sabe por que ter um ERP para Marketplace?

 

Apesar de o marketplace gerenciar a maioria dos processos de vendas, existem alguns pontos importantes que precisam ser gerenciados pelos próprios lojistas e que exigem a adoção de um ERP específico, como:

 

- Gerenciar as comissões pagas aos marketplaces

É fundamental controlar todos os valores que entram e saem do caixa, principalmente valores de comissões, de forma que para cada item vendido no marketplace, o lojista tenha ciência de qual o valor bruto arrecadado na venda, qual valor será passado para o marketplace por seus serviços e qual o valor líquido que será recebido pelo lojista.

 

- Gerenciar intermediadores de pagamentos

Alguns marketplaces separam comissões de outras taxas cobradas por instituições de pagamentos, que são responsáveis por intermediar as transações financeiras realizadas entre lojistas e consumidores.

Nesses casos o lojista precisa ficar atento porque além de gerenciar o valor da comissão que vai para o marketplace, ele vai precisar administrar o valor retirado para os intermediadores financeiros para identificar o valor liquido que receberá.

 

- Gerenciar prazos de Pagamentos

Na maioria dos marketplaces os prazos de pagamento dos pedidos variam de 2 até 45 dias após a postagem ou entrega do produto. O planejamento é feito dessa forma para garantir que a entrega foi realizada com segurança, podendo assim, finalizar a venda.

 

- Gerenciar investimento com anúncios online e outros

Além de expor os produtos no marketplaces, o lojista ainda pode investir em anúncios para divulgar seus produtos e gerar mais trafego ou, se preferir, pode pagar ao marketplace para receber destaque nas publicações de seus produtos.  Essas estratégias são apropriadas para aumentar as vendas e dar ao lojista mais visibilidade.

 

- Gerenciar mensalidades e valores mínimos

Dependendo da política praticada pelo marketplace ele poderá cobrar, além da comissão, uma mensalidade dos lojistas. Normalmente essa característica é desenvolvida pelos marketplaces mais segmentados ou menores.

 

- Gerenciar fretes

O marketplace gera inúmeros pedidos de venda por dia e devido ao número de transações realizados, muitas vezes, há um contrato fechado com transportadoras prevendo valores especiais. Para o seller é vantajoso utilizar esse contrato de frete já estabelecido pelo marketplace ou, se preferir gerenciar de outra forma, é importante saber a política de frete estipulada pela gerencia para evitar qualquer problema que possa ocorrer.

 

- Gerenciar outros serviços

Além de todos os itens mencionados anteriormente, é possível que o seller ainda tenha outros serviços disponibilizados pelo marketplace para administrar, como por exemplo: auxilio com fotografia, auxílio com cadastro de produto e serviços de fulfillment.

Todos esses processos necessitam de um gerenciamento assertivo que somente o ERP pode executar, assim o seller evita erros que comprometam o lucro no fechamento de caixa, garantindo que o negócio se torne escalável e também mais competitivo

 

Conclusão

Levando em consideração as informações apresentadas é importante lembrar de analisar o cenário, o público alvo e a demanda antes de começar um negócio no marketplace, pois existem custos definidos que, sem conhecimento, o lojista pode não conseguir gerenciar completamente. Por isso, adotar um ERP é crucial e pode fazer total diferencia no controle financeiro, além de otimizar processos mais complexos, garante que eles se desenvolvam de forma mais organizadas evitando erros que ponham em risco a saúde financeira dos negócios.

 

Não esqueça de compartilhar este artigo com seus conhecidos, você pode ajudar alguém que está pensando em investir nas vendas através de marketplaces!  ;)

 

 

Deixar uma resposta

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>