fbpx

O que é Minimum Viable Product ?

O que é  Minimum Viable Product ?

 

Minimum Viable Product
Minimum Viable Product

Empreender no Brasil é um enorme desafio. Além de todas as burocracias e impostos, o empreendedor ainda precisa lidar com os riscos e as incertezas de lançar um negócio novo no mercado.

Não é por menos, ver empresas nacionais fechando as portas não é um cenário muito animador para quem está querendo empreender. Parte do insucesso dessas empresas tem relação com a gestão, comportamento e, no pior dos casos, falta de planejamento estratégico.

Entretanto, como saber se o seu negócio dará certo antes de apostar todas as fichas e correr o risco de não obter o retorno desejado?

Os avanços tecnológicos estão acompanhados de novas ferramentas, conceitos e metodologias inovadoras, que oferecem um suporte importante para o desenvolvimento das organizações.

Nesse sentido, surgiu o MVP ou Minimum Viable Product para ajudar o empreendedor a realizar o sonho do negócio próprio em pouco tempo, com menos riscos e investindo com cautela.

 

O que é Minimum Viable Product?

A sigla MVP refere-se a Minimum Viable Product, ou traduzindo para o português, Produto Mínimo Viável, que é uma técnica usada para desenvolver uma versão teste de determinado produto, serviço ou negócio, ou seja, uma primeira versão sem empregar todo o potencial ou esforços, mas sem deixar de entregar valor.

O Produto Mínimo Viável surgiu com base em um conceito de fábrica da Toyota no Japão, o Lean Manufacturing que traduzindo o termo do inglês significa fabricação enxuta, que visa uma produção que utilize apenas o necessário, evitando desperdícios e gastos exagerados.

Um exemplo interessante é de um Food Truck que virou sensação no bairro da Vila Madalena em São Paulo. O empresário teve a ideia de usar uma Kombi para vender Milk Shake Gourmetizados.

O tempo de planejamento entre comprar a Kombi, restaurar, criar a identidade da marca, desenvolver os uniformes, testar os diferentes sabores de Milk Shakes, no qual o empresário contou com à ajuda de amigos, uma nutricionista e um estudante de gastronomia, durou aproximadamente 7 meses, e não pense você que depois disso foi só comercializar as bebidas por aí, porque não foi. No começo a Kombi ficava em bairros estratégicos como: Butantã, Vila Madalena, Tatuapé e Pompéia, e o Produto Mínimo Viável contava com 8 sabores de Milk Shakes no cardápio. Tamanha foi a aceitação que, 5 anos depois de testar a viabilidade do negócio, a empresa conta com várias lojas e mais de 50 produtos no cardápio.

Veja como ter um Produto Mínimo Viável foi importante para essa empresa, pois do contrário o empresário teria corrido risco de lançar seu Food Truck completo e não ter uma resposta positiva, já que no período que ele lançou essa ideia o conceito de comercializar alimentos em um carro era sensação nos Estados Unidos e aqui no Brasil o mercado ainda estava meio tímido com essa proposta e, portanto poderia não ter visto valor no negócio da Kombi, o que acarretaria em um enorme prejuízo.

Nesse exemplo que apresentamos, a técnica de MVP ajudou o empresário a identificar se o cenário estava favorável para a proposta da kombi por meio do retorno do próprio público, ou seja, ouviram as sugestões das pessoas, filtraram e entenderam o que poderia fazer ou não sentido para o negócio.

Normalmente o MVP é usado nos segmentos voltados, principalmente, para tecnologia, por isso, é comum associarem ao conceito de Startups, mas nada impede que negócios criados a partir de outros segmentos possam empregar o modelo e obter sucesso com os benefícios que ele proporciona, e é sobre eles que falaremos a seguir.

 

Benefícios de criar um MVP

• Economia

Você não vai precisar empregar todos os seus recursos financeiros em um produto, serviço ou negócio, basta que ele tenha o Core necessário e esteja apto para a comercialização no mercado. Dessa forma, você economiza e não corre risco de lançar um item completo que não tenha utilidade para o seu público-alvo.

 

• Antever os recursos empregados

Por meio da aceitação do seu MVP no mercado é possível perceber e validar as possibilidades para aprimorar o produto e entender quais os tipos de recursos que ainda precisam ser aplicados.

 

• Verificar a aderência do negócio

Criar um MVP é a melhor maneira de identificar o interesse do seu público-alvo com relação a sua ideia principal. Esse retorno é fundamental para gerenciar os próximos passos do seu negócio: o que investir, como investir e para quem investir.

 

• Diminuir horas gastas no desenvolvimento

O processo de produção do MVP tem a ideia de ser mais dinâmico, uma vez que enquanto o Mínimo Produto Viável está no mercado sendo avaliado, em paralelo o projeto completo está sendo desenvolvido agregando agilidade para o fluxo e eliminando processos desnecessários.

 

• Permitir identificação e correção de falhas

Um retorno importante que o MVP gera são os feedbacks, por meio deles é possível filtrar as informações, aprender com elas e promover melhorias necessárias para que o item atenda as expectativas do público-alvo.

 

 

Fracassos de grandes marcas

Lançar um novo produto, serviço ou negócio no mercado não é tarefa fácil. Há centenas de exemplos de empresas consagradas em que nem mesmo a expertise e competência da das equipes responsáveis pela propaganda e marketing foram capazes de evitar o fracasso de alguns de seus produtos.

Alguns casos, no mínimo curiosos, nos mostram a relevância de ter um MVP antes de se lançar de cabeça em alguma novidade que talvez tenha valor para você, mas o mercado enxergue de uma outra forma, que foi o que aconteceu com os produtos lançados por estas empresas, confira:

 

 

Colgate – Linha de comidas congeladas

Isso mesmo a Colgate, a marca mais recomendada pela Associação Brasileira de Odontologia, não se deu bem ao lançar sua própria linha de comidas congeladas durante os anos 80 nos Estados Unidos. O principal motivo que levou os produtos a não caírem nas graças do consumidor foi justamente o nicho escolhido pela empresa.

 

Amazon – Smartphone

O Fire Phone da gigante Amazon foi lançado em 2014 e pouco depois de seu lançamento a empresa não conseguia se livrar dos itens parados no estoque. Um verdadeiro prejuízo para a marca que culpou principalmente o preço que eles colocaram no aparelho que na época era o mesmo valor do Iphone.

 

Microsoft – Software Windows Vista

O Windows Vista foi lançado no ano de 2007, e é considerado até hoje o pior sistema operacional da Microsoft. Com uma campanha multimilionária (1 bilhão de dólares), o sistema não agradou os usuários e rapidamente a empresa teve que oferecer o downgrade para o sistema anterior, o Windows XP.

 

Apple – Assistente virtual Newton

O aparelho foi lançado no ano de 1993 e descontinuado 4 anos depois. Apresentado pela Apple como revolucionário e inovador, o aparelho tinha funções como: armazenamento de anotações, contatos, gerenciamento de calendários e compromissos, além disso, era capaz de traduzir a escrita à mão em texto e possibilitava o envio de fax. A novidade rapidamente virou motivo de tristeza para a companhia por não performar com qualidade, mas a Apple identificou as necessidades do seu público, corrigiu as falhas do aparelho e aplicou as melhorias no que viria a ser o famoso iPad.

 

Dunkin’ Donuts – Donuts

A Dunkin é um caso um pouco diferente das outras empresas, isso porque esteve servindo os brasileiros por exatos 21 anos, encerrando as atividades no país em 2005. O curioso na situação da Dunkin foi que eles se acomodaram no fato de ser uma novidade, mas com o passar dos anos não buscaram inovar. Entre os motivos da saída da marca do país estão os valores elevados dos produtos, oferta limitada e falta de posicionamento.

A empresa tem voltado aos poucos com um MVP e estão se posicionando como forte concorrente da cafeteria Starbucks a fim de oferecer produtos mais regionais e que faça parte dos hábitos de consumo dos brasileiros.

 

Conclusão

O MVP é uma boa dica para o empreendedor que não pode contar com muitos recursos, mas deseja investir de maneira segura.

A técnica do MVP vai ajudar a entender pontos cruciais para o sucesso do produto, serviço ou negócio como por exemplo, preço, característica, custo benefício, aderência, aceitação, entre outros.

Lembre-se ele é uma versão simplificada do produto, serviço ou negócio, mas é imprescindível que atenda a necessidade principal do seu público-alvo, do contrário não terá viabilidade para atingir os objetivos desejados.

Me conta, achou essa ideia interessante? Você criaria um MVP ou apostaria de vez na versão completa do seu produto, serviço ou negócio?

Autora: Joyce Alcântara.

e-Book: GESTÃO DE CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS

O processo de formação dos preços de venda é um dos processos mais importantes para que os lojistas, distribuidores, importadores e fabricantes possam cobrir os custos de fabricação e/ou aquisição das mercadorias e preservar seus lucros. Esse e-book tentará ajudar os lojistas, de forma simples e descomplicada, a fazer a formação dos preços de venda de seus produtos, levando em consideração o fato de que alguns produtos são diferentes de outros e inserindo custos particulares das operações Omnichannel na formação dos preços, tais como, custos para manutenção das plataformas de e-Commerce, custos com fretes, custos com pagamentos, cadastros e fotos, armazenagem, etc…

Baixar agora!